Arquitetura Românica

Antes de começar o post sempre é bom lembrar que a arquitetura ROMÂNICA não é igual a arquitetura ROMANA. Apesar de claramente sofrer influências da arquitetura romana, a românica era feita para a religião cristã, portanto não possuía o mesmo simbolismo e continha características próprias.

É dado o nome de arquitetura românica para aquela desenvolvida no final do séc. XI e XII na Europa. O edifício mais tipico dessa arquitetura eram as igrejas, que seguiam a planta de uma basílica (construção tipicamente romana empregada como igreja em diversos estilos arquitetônicos). Acredita-se que essa arquitetura começou com o renascimento carolíngio, também chamado de Renovação Romana empreendida por Carlos Magno, podendo traçar assim o progresso da arquitetura medieval religiosa do ocidente.

Essa arquitetura adotou a planta basilical com cruz latina como principal tipo de planta para as igrejas, porém há um outro tipo, menos utilizada, que é a planta centralizada de cruz grega, influência oriental, que podia ser hexagonal, octogonal ou circular; e para muitas pessoas da época era inviável.

plantas

Exemplo de plantas com cruz grega e cruz latina

Cathedral_schematic_plan_pt_vectorial.svg

Principais elementos de uma basílica romanica

As igrejas construídas até então possuíam um telhado de madeira, mas durante a idade média muitas cidades eram invadidas e saqueadas, e essas igrejas eram facilmente incendiadas. Pensando nisso a necessidade era cobrir grandes espaços e protege-los de incêndios. A alternativa foi usar as abóbadas, que podiam ser  de berço, arestas ou cruzaria.

Porém o uso dessas abóbadas era muito instável, porque elas tendiam a abrir, ou seja, elas empurravam os pilares para fora. A solução encontrada foi engrossar as paredes e utilizar contrafortes nas laterais. Esses contrafortes são pilares grossos que ficam na parte externa da igreja e fazem força contrária a dessas abóbadas.

histoire-les-cathedrales-pour-les-nuls1-28-638

Esquema representando a utilização dos contrafortes em abóbadas, no caso na de berço

Os detalhes que diferem essas igrejas da arquitetura romana são vários. Tipicamente ela possui três naves, raramente cinco, todas cobertas por abóbadas; a nave central possui altura superior em relação as outras. Seu telhado é de duas águas e possui formato triangular. Na fachada há a presença de arcadas; do pórtico com uma função catequética, ele é extremamente ornamentado e no seu tímpano há a presença do Cristo Pantrocrator, envolto em uma mandorla, para destacar sua imagem. Outro elemento presente na fachada é a rosácea, que pode possuir vitrais ou não.

29-igreja-de-santo-domingo-soria_big

Fachada da Igreja de Santo Domingo, que mostra os principais elementos das fachadas Românicas

dsc00606

Tímpano da Igreja de Santo Domingo, ao redor da imagem do Cristo Pantrocrator (ao centro) nota-se a presença da mandorla

Outras construções que faziam parte da arquitetura religiosa românica eram o batistério e o campanário. Separamos algumas imagens da Catedral do Duomo em Pisa, apesar de ser românica, ela sofreu algumas alterações góticas ao longo do tempo. Semana que vem falaremos mais sobre o gótico e suas características para vocês.

Anúncios

5 comentários sobre “Arquitetura Românica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s